(48) 3028-7070
Ortopedia e Cirurgia da Coluna

Eu tenho estenose de canal lombar. E agora, o que fazer?

Por Gustavo. 03 de maio, 2017. Comente este post

 

Se você recebeu um diagnóstico de estreitamento do canal vertebral não se assuste. Com o passar dos anos é comum tal situação ocorrer, especialmente por alterações degenerativas dos discos, ligamentos e das vértebras que formam a coluna. A diminuição da amplitude do canal vertebral, pode ocorrer geralmente por hérnia de disco, artrose facetária, hipertrofia do ligamento amarelo (estrutura que protege os nervos dentro da coluna) ou alteração inflamatória (cisto sinovial, etc). É importante entender que embora os sintomas sejam os mesmos, existem algumas importantes diferenças entre hérnia discal e estenose de canal, não somente em relação a causa mas principalmente em relação ao tratamento.

ESTENOSE DE CANAL

Por volta dos 50 anos de idades, o canal espinhal ou vertebral, por onde passam os nervos (medula espinhal do crânio até L1L2 ou cauda equina de L1L2 até a região do sacro), vai estar um pouco mais estreitado. Porém quando este estreitamento ocorre num grau mais avançado, devido a mais importante degeneração das estruturas da coluna, o quadro é chamado de estenose de canal.

Em geral a estenose de canal ocorre como tentativa que o próprio corpo faz para tentar conter uma degeneração inicialmente discal. Porém com o passar dos anos, esta tentativa traduz-se em hipertrofia ou “engrossamento” das estruturas da coluna (facetas articulares, ligamentos, discos, osso, etc.) e todos estes tecidos agora mais espessos ou deformados podem causar compressão neurológica ao fechar e estreitar o canal vertebral.

Estenose de canal lombar L4L5

Estenose de canal lombar L4L5 – reparar que existe discreto escorregamento entre as vértebras e o estreitamento é tanto anterior (protusão discal) como também posterior (por hipertrofia compensatória do ligamento amarelo)

Dor e dormência na região da coluna e também ao longo dos membros estão entre as principais queixas. Os sintomas aqui, diferentemente dos de uma hérnia de disco, acontecem de maneira gradual, ao longo dos anos, piorando pouco a pouco. Diferentemente também da hérnia de disco onde a irradiação costuma ser unilateral, sintomas de estenose costumam ter irradiação bilateral, estar associados com dificuldade de caminhar (claudicação neurogênica) e podem envolver perda de força e equilíbrio.

Outro dado importante, é que hérnia de disco é um evento agudo, mais comum em pacientes adultos jovens, devido a um problema somente no disco. Na estenose de canal, onde o estreitamento do canal não ocorre somente devido a problema nos discos, mas sim de várias estruturas de um segmento vertebral (discos, ossos, ligamentos, etc.) a faixa etária principal é após os 50 anos.

O diagnóstico deve ser realizado por médico, preferencialmente especialista de coluna, através de levantamento da história, realizadção de exame físico, seguidos de exames de imagem (Rx, tomografia e principalmente ressonância magnética, melhor exame para a situação).

O tratamento deve ser individualizado, pacientes com estenose podem ter outros problemas que não somente na coluna. Existem diversos métodos de tratamento conservador e cirurgias menores realizadas com segurança.

Dr. Gustavo Carriço, médico ortopedista especialista em coluna em Florianópolis, Santa Catarina

(48) 30287070 /

Entenda mais nos outros posts sobre artrose facetária / sinal de modic / espondilolistese / nódulo de schmrol / cisto de tarlov / hipertrofia facetária / hemangioma

404
Dr. Carriço - Clínica da Coluna Vertebral, R. Idalina Pereira dos Santos, 67, sala 406, Agronômica, Florianópolis/SC, Fone 48 3028-7070
Horário de atendimento: 08:00 às 12:00 e 13:00 às 17:00